Doenças Neurodegenerativas
O Que São Doenças Neurodegenerativas
26 de janeiro de 2018
Tipos de Dor de Cabeça
Conheça os Tipos de Dor de Cabeça
16 de fevereiro de 2018

O controle da pressão arterial da gestante deve ser realizado da primeira à última visita de pré-natal, através de medições e da realização do histórico da pressão. Em casos constatados de pressão alta na gravidez, o alerta e os cuidados devem ser redobrados, pelo risco de acarretar graves danos à saúde da gestante e do bebê.

O médico deve ficar em alerta quando, através das medições, constata-se que a pressão arterial da gestante ultrapassa 140/90 mmhg; em especial, nos casos de mulheres que já chegaram ao fim do segundo trimestre de gestação, e de mulheres que nunca sofreram pressão alta em outro momento da vida.

Pressão Alta na Gravidez

Os maiores alvos de pressão alta na gravidez são mulheres que resolvem engravidar mais tarde, e normalmente tem uma vida profissional de agitação e estresse. Cerca de 40% das mulheres a partir de 40 anos apresentam hipertensão durante a gestação.

Riscos da Hipertensão para a Gestante e o Bebê

A grande preocupação dos profissionais relacionada à pressão alta na gravidez, que acarreta cuidados e acompanhamentos especiais, deve-se à pré-eclâmpsia, um problema que, quando diagnosticado, pode acarretar graves danos à saúde da gestante e do bebê, até mesmo fatais.

A pré-eclâmpsia é uma condição grave que pode afetar qualquer gestante que apresente pressão arterial elevada, fazendo com que toda proteína da gestante seja eliminada de seu corpo através da urina. Os sintomas mais comuns são: dores intensas na nuca e na cabeça, visão turva com pontos brilhantes e inchaço por todo o corpo (principalmente pernas e pés), falta de ar e náuseas.

Quando há suspeita de pré-eclâmpsia na gravidez, prontamente o obstetra responsável pelo acompanhamento da gestação deve solicitar um exame de urina. Através dele, será diagnosticada e confirmada a suspeita, caso haja proteína na amostra de urina. Isso levará a gestante à visitas e exames muito mais frequentes ao médico, e controle mais rígido de sua pressão arterial.

A partir do momento que a pré-eclâmpsia se agrava e afeta o cérebro, acarretando coma ou convulsões, ela se torna eclâmpsia. Os sintomas mais comuns dessa condição variam desde dores musculares, dores de cabeça e agitações, até perda de consciência e convulsões.

A pré-eclâmpsia e a eclâmpsia afetam o funcionamento da placenta. Isso porque, conforme a pressão arterial da gestante aumenta, o fluxo de sangue é reduzido, e a placenta pode ser incapaz de cumprir seu papel de fornecer sangue, oxigênio e nutrientes ao feto. Isso pode levar o bebê a nascer com peso inferior, entre outros problemas de saúde.

O parto é a única forma de curar a eclâmpsia; na maioria dos casos, os partos são antecipados. Entretanto, existem formas de tratamento dessa condição, tais como medicamentos para prevenir convulsões, mudanças no ritmo e no estilo de vida (adoção de hábitos saudáveis, tais como ingerir pouco sódio, caminhar regularmente e repousar) e hospitalização. Uma vez que o bebê nasce, a pressão arterial da gestante tende a voltar ao normal até 12 semanas pós-parto.

Acompanhamento Médico da Gestante Hipertensa

São muitos os cuidados a serem tomados pelo médico e pela gestante quando constatada a pressão alta na gravidez. Além das recomendações de repouso absoluto e mínimo de estresse e preocupações para não agravar ainda mais o aumento da pressão, o médico indicará uma dieta balanceada e rigorosa, baseada na ingestão de muito líquido e alimentos ricos em ácido fólico, e redução à zero de alimentos salgados e temperos fortes.

Muitas das vezes, esses métodos não serão suficientes para a queda da pressão da mulher, mas auxiliará em seu controle; nos casos do repouso e da dieta não apresentarem resultados no controle da pressão alta, há recomendação de medicamentos anti-hipertensivos.

No caso de mulheres que já sofriam de pressão alta antes da gravidez, o acompanhamento deve ser muito mais rígido, em questões de alimentação, ganho de peso e ingestão de remédios já tomados anteriormente, devido à tendência de uma piora drástica da hipertensão.

O Doppler Transcraniano no Controle da Pressão Alta na Gravidez

Durante o período de gestação, exames que necessitam do uso de contraste e radiação, necessários em exames de imagens, não são indicados. O acesso à circulação cerebral de uma gestante torna-se muito difícil.

Assim, o método de ultrassom transcraniano (técnica baseada em ondas de ultrassom) trata-se de um procedimento sensível e eficaz na revelação de anormalidades teciduais encefálicas, e sem necessidade de aberturas cirúrgicas no crânio.

Esse exame é fundamental para diagnosticar a pressão alta na gravidez, assim como estimar o risco de pré-eclâmpsia e eclâmpsia, uma vez que estuda as alterações da hemodinâmica encefálica através de uma técnica não invasiva, sem necessidade de comprometer a gestação com utilização de contrastes ou radiações.

Pressão Alta na Gravidez – Riscos e Acompanhamento
4.9 (98.79%) 116 votos
Dr Daniel Azevedo

Dr Daniel Azevedo

Neurologista membro titular da Academia Brasileira de Neurologia e pós-graduando do Departamento de Neurologia da Faculdade de Medicina Universidade de São Paulo, no Laboratório de Neurossonologia do Hospital das Clínicas. Possui título de especialista em neurossonologia concedido pela World Federation of Neurology e pela Academia Brasileira de Neurologia. Atua principalmente nos seguintes temas: doenças cerebrovasculares, hemodinâmica encefálica e neurointensivismo
Dr Daniel Azevedo

Últimos posts por Dr Daniel Azevedo (exibir todos)