Conheça as Manifestações do TDAH na Mulher
Conheça as Manifestações do TDAH na Mulher
25 de janeiro de 2019
Pressão Alta na Gravidez
Pressão Alta na Gravidez – Riscos e Acompanhamento
8 de fevereiro de 2019

Muitas coisas mudam para aqueles que sobrevivem a um AVC. Músculos enfraquecidos ou paralisados, andar afetado, dedos sem resposta, comunicação desafiada e cognição prejudicada são exemplos do que pode resultar dessa condição. A mudança de personalidade após AVC também é um desses desafios que o paciente e sua família precisam enfrentar, mas que nem sempre é reconhecido ou atribuído ao evento.

Com a leitura deste artigo, saiba mais sobre quais são as alterações que podem acontecer e como lidar com elas.

Mudança de Personalidade Após AVC

A personalidade de uma pessoa é composta de todos os atributos que definem quem ela é para sua família, amigos e o mundo exterior. Personalidades são padrões individuais de pensar, sentir e se comportar.

O AVC tem um impacto imprevisível na personalidade, e essa mudança pode ser realmente devastadora e difícil para o sobrevivente, e também para seus entes queridos. Quando algo fundamental sobre essa personalidade muda, é preciso que os entes queridos mudem fundamentalmente o modo como agem com o sobrevivente.

Porque Ocorre a Mudança de Personalidade Após AVC

Pode-se pensar em um AVC como algo que desestabiliza partes do cérebro. As mudanças que ocorrem são determinadas pelas partes afetadas. Nos sobreviventes em que não houve muito impacto sobre o sistema límbico (partes do cérebro relacionadas com a emoção), por exemplo, pode haver uma mudança relativamente menor em suas emoções e personalidade.

A Localização da Lesão

Compreender um pouco mais sobre a composição do cérebro pode ser útil neste sentido. O cérebro está estruturado em uma série de camadas: No topo está o córtex, que controla o pensamento superior, o raciocínio, a organização e a linguagem.

Por baixo, está a camada subcortical, que tem a ver com memória e processamento sensorial, assim como controle motor. A próxima camada é o sistema límbico, que controla nossas reações emocionais – embora elas possam ser modificadas pelos níveis mais elevados.

E abaixo estão o tronco encefálico e outras partes do cérebro que controlam nossos processos autonômicos – respiração, frequência cardíaca, temperatura e alguns tipos de movimento.

O Hemisfério Cerebral onde Ocorreu a Lesão

No geral, a mudança de personalidade após AVC varia de acordo com o hemisfério em que ocorreu a lesão – no hemisfério direito ou esquerdo: algumas pessoas ficam irritadas, outras ficam deprimidas; alguns se tornam impulsivos ou infantis. Alguns sobreviventes tornam-se intensamente emocionais, enquanto outros se tornam muito menos emotivos.

Uma ampla generalização é que os sobreviventes destros do AVC esquerdo, que normalmente afeta mais a linguagem e causa fraqueza ou negligência no lado direito, tendem a ser mais propensos a ignorar suas emoções, demonstrando menor responsividade emocional.

Outros Fatores que Podem Influenciar

Além do local, o tipo de derrame (hemorrágico ou isquêmico), o tamanho da lesão e os fatores de risco vasculares, como hipertensão e diabetes, também determinam a gravidade de déficits cognitivos.

Idade, gênero, etnia e educação também desempenham um papel importante nas alterações que podem ocorrer. Normalmente, quanto menor o nível de danos cerebrais, menos consequências cognitivas ou comportamentais este paciente vai enfrentar.

Mas alguém pode ter um pequeno AVC em uma parte profunda do cérebro (isto é, tálamo, hipocampo, substância branca, tronco encefálico) que leva a déficits cognitivos tão graves quanto um grande AVC nas regiões mais externas do cérebro. Além disso, a personalidade e o estilo de pensamento de uma pessoa antes de um AVC podem ser exagerados posteriormente ao evento.

Como Lidar com a Mudança de Personalidade Após AVC

Esteja ciente das coisas que desencadeiam as emoções. Esses gatilhos serão diferentes para cada paciente, mas podem incluir fadiga, estresse, ansiedade e ambientes barulhentos e superlotados. Estar perto de pessoas ou eventos emocionais e estar sob pressão também pode desencadear emoções.

Uma abordagem é simplesmente ignorar a resposta emocional e continuar com a conversa ou tarefa. Isso permite que outras pessoas saibam que devem ignorá-lo também. Alternativamente, você pode informar as pessoas sobre o AVC e sobre o que funciona melhor para você.

É possível, também, fazer uma pausa para recuperar o controle de suas emoções. Dê um pequeno passeio ou faça algo diferente. Tente exercícios de relaxamento e respiração. Um psicólogo pode ajudar com estratégias cognitivas e comportamentais.

Se as coisas estão realmente incomodando, pode ser interessante considerar algumas mudanças em sua rotina. Atividades individuais, breves e agradáveis em um ambiente silencioso podem ser melhores do que tentar lidar constantemente com situações ou ambientes estressantes. Não deixe de conversar com o seu médico sobre a situação, pois ele pode indicar terapias eficazes para lidar com este momento.

Compreenda a Mudança de Personalidade Após AVC
5 (100%) 14 votos
Dr Daniel Azevedo

Dr Daniel Azevedo

Dr Daniel Azevedo em Neurologista SP
Neurologista membro titular da Academia Brasileira de Neurologia e pós-graduando do Departamento de Neurologia da Faculdade de Medicina Universidade de São Paulo, no Laboratório de Neurossonologia do Hospital das Clínicas. Possui título de especialista em neurossonologia concedido pela World Federation of Neurology e pela Academia Brasileira de Neurologia. Atua principalmente nos seguintes temas: doenças cerebrovasculares, hemodinâmica encefálica e neurointensivismo
Dr Daniel Azevedo

Últimos posts por Dr Daniel Azevedo (exibir todos)