Sequelas de um AVC
Quais são as Sequelas de um AVC?
27 de dezembro de 2019
AVC em Mulheres
AVC em Mulheres: Fatores de Risco e Sintomas São Diferentes
24 de janeiro de 2020
Mostrar Todos

Fadiga Após AVC – É Normal Sentir? Como Gerenciar?

Fadiga Após AVC

Fadiga Após AVC. Muitos sobreviventes de AVC experienciam fadiga de maneira avassaladora, tanto física quanto mentalmente. Os sintomas podem incluir dificuldade de autocontrole, emoções e memória.

Alguns relatam sentir-se cansados, mesmo após uma boa noite de sono. Outros dizem que se sentem cansados ​​quando realizam uma tarefa que requer foco físico ou mental. Muitos relatam que a fadiga ocorre sem aviso prévio e dificulta a realização de atividades rotineiras diárias.

A fadiga é um cansaço que não está relacionado a atividades e não melhora com o descanso. O sintoma é muito comum após o AVC, não importa quão extenso ou grave o nível do AVC. De maneira geral, é seguro dizer que existem certos aspectos que necessitam de consulta com um profissional da saúde, para que esse sintoma seja controlado da maneira certa. Continue lendo este artigo e saiba mais sobre o assunto.

Fadiga Após AVC – Saiba Mais

Fadiga é uma sensação de cansaço ou falta de energia. A fadiga pode ser provocada por atividades (excesso desta) mas também pode ocorrer mesmo para pessoas que não são particularmente ativas em questão de atividades físicas. A fadiga após o AVC se encaixa nesta última categoria e uma das suas características é não melhorar com descanso.

A fadiga é muito comum após o acidente vascular cerebral, atingindo cerca de metade dos sobreviventes. A fadiga pode afetar qualquer pessoa, por mais ativa que seja. É mais provável que o sintoma apareça nas primeiras semanas após um acidente vascular cerebral, mas para algumas pessoas pode começar meses depois.

Para a maioria das pessoas, a fadiga melhora com o tempo, no entanto, é difícil afirmar isso com certeza. Lembre-se de que o cansaço pode durar mais do que o esperado, especialmente para aqueles que planejam voltar a rotina usual de um adulto, trabalho, filhos estresse e etc.

Porque essa Sensação de Fadiga Ocorre

É provável que uma mistura de fatores físicos e fatores emocionais contribuem para que os pacientes experienciem fadiga após acidente vascular cerebral. No entanto, neste momento, não está claro o porque o sintoma não atinge a todos os sobreviventes de um AVC. A principal razão para o sintoma é basicamente: a ocorrência do AVC.

Nos estágios iniciais e primeiras semanas e meses após um derrame o corpo humano está passando pelo processo de cura e reabilitação, o que consome muita energia, por isso é muito comum sentir-se cansado. É mais provável também que tenha ocorrido perda de força e aptidão no período em que o paciente permaneceu hospitalizado hospital ou como resultado do acidente vascular cerebral.

A longo prazo, ter uma deficiência física também significa que a energia está sendo usada em jeitos diferentes. Por exemplo, caminhar e concluir outras atividades diárias pode muito bem sugar muito mais energia do que antes do derrame, aumentando a probabilidade de sentir-se cansado.

Mudanças Emocionais

Sentir-se deprimido e/ou ansioso comumente acontece após um acidente vascular cerebral. Outro sintoma subjacente que surge da ocorrência do AVC é depressão e ansiedade. No entanto, embora a maioria das pessoas com depressão se sintam cansadas, nem todas as pessoas que sofrem de fadiga necessariamente estão passando por um quadro depressivo.

Caso o paciente sinta que as alterações de humor estão muito intensas, e ele esteja se sentindo para baixo, irritado, ou tenso de maneira constante, deve-se conversar com o seu médico de confiança o mais rápido possível. Não ignore esse sentimento. O médico irá prescrever um tratamento para melhorar esse quadro.

Outras Possíveis Causas

Outros fatores podem causar a fadiga, esses outros fatores incluem problemas de sono como: insônia e  apneia do sono; e também problemas de nutrição e alimentação como: anemia (deficiência de ferro), diabetes ou uma glândula tireoide hiperativa. Alguns medicamentos também podem causar o sintoma. Por exemplo, betabloqueadores para tratar pressão alta, medicamentos para epilepsia, dor e antidepressivos. A fadiga pode estar associado a células inflamatórias ou hormônios (como cortisol) que são perturbados pelo derrame.

Gerenciando a Fadiga Após AVC

Não há tratamento ou medicação feita especificamente para tratar o sintoma que ocorre após o AVC. Mas existem algumas estratégias a se seguir. É importante investigar e gerenciar qualquer coisa que possa estar contribuindo para o seu cansaço. Converse com seu médico sobre dor, problemas de sono, humor e mudanças de personalidade. Pergunte também sobre medicamentos e deficiências nutricionais que podem estar contribuindo para a fadiga.

Equilibrando Atividade e Descanso

Prestar atenção no seu corpo e respeitar seus limites é extremamente importante. E assim, compreender o que torna o sintoma pior e quando é mais provável que isso aconteça.

Realize tarefas diárias de uma maneira que consuma menos energia, por exemplo, sentando-se para se vestir. Planeje atividades para quando você tiver mais energia. Divida as atividades em tarefas menores e descanse no meio. Tente espalhar atividades ao longo do dia ou da semana e planeje pausas para o descanso. Você pode optar por priorizar as atividades e eventos que são mais importantes para você.

Se você planeja voltar ao trabalho, considere começar em meio período e aumentar suas horas gradualmente.

Pode ser que pressionar a fadiga para concluir atividades físicas ou mentais ajude na recuperação, mas tenha cautela. Se arriscar pode ser positivo, no entanto, seja cauteloso quanto a isso, pois arriscar demais pode piorar a fadiga.

Exercício, Dieta e Sono

Pesquisas sugerem que exercícios pode ajudar a diminuir a fadiga. Mesmo se você estiver cansado, pratique alguns exercícios todos os dias. Mesmo pequenas quantidades podem ajudar.

Siga uma dieta saudável e beba bastante água. Tente evitar o consumo de álcool, já que ele é um sedativo.

Bons hábitos de sono podem ajudar. Levante-se todos os dias à mesma hora e aproveite o sol da manhã. A exposição à luz quando você acorda ajuda a acertar o “relógio biológico” do corpo. Se você precisar tirar uma soneca, tire-a no início da tarde e tente mantê-la por 20 minutos. À noite, não ignore o cansaço. Vá para a cama quando seu corpo lhe disser. Certifique-se de relaxar pelo menos uma hora antes de dormir.

Conheça mais Estratégias de Higiene do Sono na Recuperação do AVC

Converse com Familiares e Amigos

A fadiga após o derrame não é bem compreendida por todos, e os sinais de fadiga nem sempre são óbvios. Família e amigos podem não entender por que você não pode fazer coisas ou participar de eventos. Uma conversa honesta pode ajudar a educar as pessoas ao seu redor sobre fadiga. Se alguém lhe oferecer ajuda, considere, em vez de sentir que precisa fazer tudo sozinho.

Referência: Stroke Foundation – Australia

Dr Daniel Azevedo

Dr Daniel Azevedo em Neurologista SP
Neurologista membro titular da Academia Brasileira de Neurologia e pós-graduando do Departamento de Neurologia da Faculdade de Medicina Universidade de São Paulo, no Laboratório de Neurossonologia do Hospital das Clínicas. Possui título de especialista em neurossonologia concedido pela World Federation of Neurology e pela Academia Brasileira de Neurologia. Atua principalmente nos seguintes temas: doenças cerebrovasculares, hemodinâmica encefálica e neurointensivismo
Dr Daniel Azevedo
Compartilhe: