A Importância dos Exercícios Físicos na Saúde Cerebral

traumatismo-criancas
Traumatismo Cranioencefálico na Infância e o Risco de TDAH
1 de junho de 2018
prevencao-enxaqueca-episodica
Prevenção de Enxaqueca Episódica em Pacientes Refratários
13 de junho de 2018

Os exercícios físicos exercem uma função importantíssima em nossa saúde cerebral: além de auxiliar na prevenção de uma possível enxaqueca futura, a atividade física promove uma capacitação maior dos nossos neurônios para reagir aos obstáculos do dia a dia.

A prática regular de atividade física fortalece tanto a massa muscular cerebral quanto a cinzenta, auxilia no raciocínio, na memória, na flexibilidade cognitiva e no controle inibitório, além de reduzir em 35% o risco de comprometimento cognitivo leve e em 51% o risco de Alzheimer.

A Importância dos Exercícios Físicos na Saúde Cerebral

Assim como nossa musculatura ganha potência ao ser estimulada por um exercício físico, as células nervosas também se beneficiam desta prática. Além de prevenir doenças, a prática de exercícios físicos aprimora o funcionamento do cérebro.

Sabemos que o sedentarismo está associado a diversas complicações, incluindo a probabilidade elevada de demência e de comprometimento cognitivo. Pesquisas indicam que a prática de exercícios físicos na infância resulta em uma elevação da capacidade de aprendizagem na vida adulta, além de possibilitar uma evolução cognitiva mais acentuada.

Existem alguns métodos simples que estão ao alcance de todos no dia a dia e evitam o excesso de comportamentos sedentários, incluindo, por exemplo, a preferência da escada comum à rolante no metrô, levantar-se da cadeira de trabalho para dar alguns passos a cada 30 minutos, optar por ir até a mesa do colega ao invés de mandar um e-mail, entre outros.

A Importância dos Exercícios Físicos na Saúde Cerebral – Modalidades Esportivas

No caso de pessoas que não têm uma rotina de vida sedentária e praticam exercícios físicos (ou desejam praticar), estudos recentes indicam que tanto modalidades esportivas aeróbicas – incluindo caminhada e bicicleta – quanto a musculação conferem habilidades à saúde cerebral. A combinação de ambas modalidades oferece resultados ainda mais positivos.

Investiga-se ainda a possibilidade de alguns exercícios serem mais benéficos ao nosso cérebro em relação a outros. Esportes que exigem uma interação maior, improviso e reflexo (tais como futebol, vôlei ou caratê) parecem instigar mais os neurônios em relação a práticas mais “estáveis”, como a esteira.

Benefícios dos Exercícios Físicos na Saúde Cerebral

Os benefícios oferecidos pelos exercícios físicos na saúde cerebral não se restringem somente aos idosos: pessoas de todas as faixas etárias, inclusive os adolescentes, podem se beneficiar desta prática no que diz respeito ao desempenho cognitivo.

As vantagens vão desde a infância até a terceira idade: desde um maior desempenho escolar e boas notas até a prevenção do Alzheimer e um envelhecimento saudável.

Até mesmo uma dose única de exercício físico na rotina de uma pessoa sedentária já acarreta benefícios perceptíveis em seu funcionamento cerebral e sua capacidade de alerta.

Isso tudo sem falar nos benefícios comportamentais promovidos pela prática de exercícios físicos: disciplina, concentração, trabalho em equipe e resiliência estão entre os aspectos comportamentais favorecidos. Entretanto: lembre-se: a prática de exercícios físicos não substitui a rotina de estudos. Para ter uma mente sã e ativa, é necessário aliar a prática dos exercícios físicos com os mentais.

A prática de exercícios físicos é indicada para qualquer idade, uma vez que beneficia nossa saúde cerebral. A OMS (Organização Mundial da Saúde) recomenda a realização de 300 minutos de exercício físico semanalmente, de forma moderada ou leve, a fim de obter um ritmo de vida saudável. Exercite-se, preserve sua saúde cerebral!

 

A Importância dos Exercícios Físicos na Saúde Cerebral
5 (100%) 23 votos
Dr Daniel Azevedo

Dr Daniel Azevedo

Neurologista membro titular da Academia Brasileira de Neurologia e pós-graduando do Departamento de Neurologia da Faculdade de Medicina Universidade de São Paulo, no Laboratório de Neurossonologia do Hospital das Clínicas. Possui título de especialista em neurossonologia concedido pela World Federation of Neurology e pela Academia Brasileira de Neurologia. Atua principalmente nos seguintes temas: doenças cerebrovasculares, hemodinâmica encefálica e neurointensivismo
Dr Daniel Azevedo