Especialista Neurovascular – Conheça as Principais Doenças Neurovasculares e seu Tratamento

Síndrome do Pensamento Acelerado e TDAH
Síndrome do Pensamento Acelerado e TDAH – Diagnóstico Diferencial
29 de novembro de 2019
Aneurisma Cerebral
Aneurisma Cerebral – Semelhanças e Diferenças em Relação ao AVC
20 de dezembro de 2019
Mostrar Todos

Especialista Neurovascular – Conheça as Principais Doenças Neurovasculares e seu Tratamento

Especialista Neurovascular

Especialista Neurovascular. O cérebro é o órgão matriz do sistema nervoso e o principal responsável pelo controle das funções corporais humanas. Devido a tamanha responsabilidade, qualquer anormalidade que acometa o funcionamento deste órgão pode ser fatal.

Os problemas que surgem ao longo da elaborada rede de vasos sanguíneos que banha o sistema nervoso central, chamada sistema neurovascular, podem causar incapacidade grave ou morte. Embora não haja uma causa clara de doença neurovascular, indivíduos com diabetes, histórico de doenças cardíacas, nível alto de colesterol e histórico de tabagismo podem estar em maior risco de desenvolver a condição. Continue lendo este artigo para saber mais sobre as doenças neurovasculares.

Especialista Neurovascular no Tratamento das Doenças Neurovasculares

As doenças neurovasculares consistem em disfunções que afetam artérias e veias do sistema nervoso central, seja temporária ou permanente, por sangramento ou fluxo sanguíneo restrito (estenose), formação de coágulos (trombose), bloqueio (embolia) ou ruptura dos vasos sanguíneos (hemorragia).

Essas doenças são as principais causas de sequelas e óbitos da população economicamente ativa da América Latina: o AVC (Acidente Vascular Cerebral), por exemplo, está entre as doenças que mais matam no mundo.

Entretanto, as doenças neurovasculares não se restringem ao AVC: existe uma série de outras disfunções que acometem o cérebro, capazes de provocar sequelas e danos irreversíveis à saúde do paciente.

Principais Doenças Neurovasculares

A seguir, conheça as principais doenças neurovasculares:

AVC Isquêmico

O AVC isquêmico é a doença vascular cerebral mais comum e a segunda principal causa de óbitos de origem vascular no Brasil. Trata-se basicamente da obstrução de uma artéria, que impede que o sangue chegue a uma região cerebral.

A ausência de sangue pode ocasionar a morte das células presentes na região afetada. A doença está associada a diversos fatores de risco, tais como pressão alta, diabetes, colesterol alto, sedentarismo e obesidade. A recuperação do paciente leva tempo. O AVC isquêmico pode deixar sequelas e até mesmo levá-lo a óbito.

  • Tratamento – Depois que seu médico determinar a causa do AVC isquêmico, o objetivo do tratamento é corrigir a anormalidade e prevenir a formação de novos coágulos sanguíneos. Dependendo da causa, seu médico pode prescrever medicamentos para reduzir a tendência de coagulação do sangue ou recomendar cirurgia ou procedimento com balão (angioplastia).

AVC Hemorrágico

O AVC hemorrágico, diferentemente do isquêmico, consiste no rompimento de uma artéria que leva sangue ao cérebro, provocando hemorragia cerebral. As consequências deste evento variam de acordo com o fluxo de sangue e as condições clínicas de cada paciente, podendo levá-lo à coma e até mesmo à morte cerebral.

Esta modalidade de AVC geralmente é decorrente de um quadro de hipertensão mal cuidada, em que o paciente negligencia as visitas periódicas ao médico responsável e o uso dos medicamentos de controle da doença.

  • Tratamento – O atendimento imediato de emergência é crucial para um AVC hemorrágico. Este tratamento se concentra no controle do sangramento no cérebro e na redução da pressão causada pelo sangramento.

Os medicamentos podem ser usados ​​para reduzir a pressão sanguínea ou retardar o sangramento. Medicamentos para combater o efeito dos anticoagulantes geralmente são administrados imediatamente durante o tratamento de emergência. Para AVC mais graves, pode ser necessária cirurgia para reparar o vaso sanguíneo rompido e interromper o sangramento.

Saiba Mais sobre o Tratamento do AVC

Aneurisma Cerebral

O aneurisma cerebral trata-se de uma doença congênita que consiste basicamente na formação de saculações nas artérias mais propícias a rompimentos, uma vez que apresentam paredes menos espessas que o normal.

As formas cilíndricas dessas artérias deformam-se gradativamente ao longo dos anos, permitindo a formação de “bolsas” acumulativas de sangue. Em cerca de 99% das ocorrências, a doença é detectada somente após o rompimento da artéria, já em um estágio de altíssimo risco. Saiba mais informações sobre o Aneurisma Cerebral.

  • Tratamento – Existem duas opções de tratamento comuns para um aneurisma cerebral.

Um deles é a cirurgia para fechar o aneurisma. O neurocirurgião remove uma seção do crânio para acessar o aneurisma e localiza o vaso sanguíneo que alimenta o aneurisma. Em seguida, ele coloca um pequeno clipe de metal no pescoço do aneurisma para interromper o fluxo sanguíneo.

O enrolamento endovascular é um procedimento menos invasivo que o descrito acima. O cirurgião insere um cateter em uma artéria, geralmente na virilha, e passa o fio pelo corpo até o aneurisma. Ele então usa um fio-guia para empurrar um fio macio de platina através do cateter e para dentro do aneurisma. O fio se enrola dentro do aneurisma, interrompe o fluxo sanguíneo e essencialmente sela o aneurisma.

Ambos os procedimentos apresentam riscos potenciais, particularmente sangramento no cérebro ou perda de fluxo sanguíneo para o cérebro. O segundo é menos invasivo e pode ser inicialmente mais seguro, mas pode ter um risco ligeiramente maior de necessidade de repetir o procedimento no futuro devido à reabertura do aneurisma.

Malformações Arteriovenosas – MAVs

No sistema normal de irrigação do sangue, há uma comunicação entre veias e artérias de modo que a circulação do sangue ocorre gradativamente, por intermédio de pequenos vasos sanguíneos.

Os pacientes que sofrem de malformações arteriovenosas têm o sangue despejado de uma artéria para a veia diretamente, o que pode provocar uma hemorragia.

É preciso ficar atento aos sinais: os sangramentos decorrentes da má formação podem ocasionar dores de cabeça e crises convulsivas.

  • Tratamento – O tratamento depende de onde a anormalidade é encontrada, dos sintomas que você tem e da sua saúde geral. Às vezes, Malformações Arteriovenosas podem ser monitoradas com testes regulares de imagem para observar alterações ou problemas. Outros MAVs requerem tratamento. Determinar se precisa ou não de tratamento envolve fatores como:
    • Se o MAV sangrar;
    • Se o MAV for pequeno o suficiente para tratar;
    • Se a localização da MAV estiver em uma parte do cérebro que possa ser alcançada.

Os tratamentos podem incluir medicamento para gerenciar sintomas como convulsões, dores de cabeça e dores nas costas. Mas o principal tratamento é a cirurgia.

Obstrução de Carótida

As carótidas tratam-se de duas grandes artérias, localizadas no pescoço, responsáveis por levar o sangue ao cérebro. Pessoas que sofrem de colesterol alto têm uma grande quantidade de gordura presente no sangue, e essa gordura se deposita gradativamente nas paredes da artéria, até obstruí-la por completo. Essa obstrução pode ocasionar um AVC isquêmico.

  • Tratamento – O objetivo no tratamento de doenças da artéria carótida é prevenir o AVC. Tratamentos específicos dependem da extensão do bloqueio nas artérias carótidas.

Se o bloqueio for leve a moderado, seu médico poderá recomendar mudanças de hábito. As recomendações podem incluir parar de fumar, perder peso, comer alimentos saudáveis, reduzir sal e exercitar-se regularmente.

O seu médico também pode recomendar tomar uma aspirina diária ou outro medicamento para fluidificar o sangue para evitar coágulos sanguíneos.

Se o bloqueio for grave, ou se você já teve um AIT ou acidente vascular cerebral, seu médico pode recomendar a remoção do bloqueio da artéria. As opções incluem:

Endarterectomia de carótida, o tratamento mais comum para doença grave da artéria carótida. Depois de fazer uma incisão na frente do pescoço, o cirurgião abre a artéria carótida afetada e remove as placas. A artéria é reparada com pontos ou enxerto.

Angioplastia da carótida se o bloqueio for muito difícil de alcançar com endarterectomia carotídea ou se você tiver outras condições de saúde que tornam a cirurgia muito arriscada. É aplicada anestesia local e um pequeno balão é introduzido por cateter na área do entupimento. O balão é inflado para ampliar a artéria e uma pequena bobina de malha de arame (stent) é inserida para impedir que a artéria se estreite novamente.

Especialista Neurovascular na Prevenção de Doenças Neurovasculares

As doenças vasculares cerebrais podem ser prevenidas através de um acompanhamento neurológico regular, além da adoção de hábitos saudáveis do paciente.

A prevenção clínica de doenças neurovasculares se dá através do controle pressórico, glicêmico, de colesterol e de triglicerídeos, aliado a exames de rastreio, tais como: eletrocardiograma, ecocardiograma, tomografia, ressonância de crânio, Doppler transcraniano, entre outros.

O médico neurologista é o responsável por solicitar a realização dos exames citados, diagnosticar e tratar as principais doenças cerebrovasculares.

Diante da manifestação dos sintomas de alguma das doenças citadas no texto, o atendimento emergencial e qualificado é um fator determinante na recuperação do paciente.

Se você apresenta algum dos fatores de risco associados a doenças neurovasculares, fique atento: marque uma consulta com o neurologista de sua confiança e esclareça suas dúvidas.

Referência: LMU Klinikum

Artigo Publicado em: 6 de abril de 2018 e Atualizado em 13 de dezembro de 2019

Dr Daniel Azevedo

Dr Daniel Azevedo em Neurologista SP
Neurologista membro titular da Academia Brasileira de Neurologia e pós-graduando do Departamento de Neurologia da Faculdade de Medicina Universidade de São Paulo, no Laboratório de Neurossonologia do Hospital das Clínicas. Possui título de especialista em neurossonologia concedido pela World Federation of Neurology e pela Academia Brasileira de Neurologia. Atua principalmente nos seguintes temas: doenças cerebrovasculares, hemodinâmica encefálica e neurointensivismo
Dr Daniel Azevedo
Compartilhe: