avc-vertebrobasilar
AVC Vertebrobasilar – Saiba Mais
26 de abril de 2019
hipotensao-ortostatica-doenca-de-parkinson
Hipotensão Ortostática na Doença de Parkinson – Saiba Mais
10 de maio de 2019

A doença hipertensiva da gravidez é um problema médico muito comum, que causa complicações em 2-3% das gestações, e as taxas de prevalência estão aumentando devido ao atraso na gravidez.

Neste artigo, saiba mais sobre esta condição e suas complicações para a mãe e o bebê.

A Doença Hipertensiva da Gravidez

A hipertensão crônica relaciona-se à pressão alta que precede a gravidez, normalmente diagnosticada nas primeiras 20 semanas de gestação. Duas categorias de gravidade são reconhecidas: leve (até 179 mmHg sistólica e 109 mmHg diastólica) e grave (≥ 180 mmHg sistólica ou 110 mmHg diastólica).

A pré-eclâmpsia, ou Doença hipertensiva da gravidez, é uma doença grave relacionada ao aumento da pressão arterial. Ela pode se instalar de forma rápida, tipicamente durante a segunda metade da gestação, ou até seis meses após o parto.

Todos os anos, quase 76 mil mães e 500 mil bebês no mundo perdem suas vidas por causa da pré-eclâmpsia, segundo organizações de saúde.

Doença Hipertensiva da Gravidez – Complicações

Diversos sintomas podem se manifestar durante as crises generalizadas de eclâmpsia, como por exemplo:

  • Alterações Neurológicas: são comuns e podem incluir cefaleia, visão turva, hiperreflexia, e raramente cegueira cortical;
  • Alterações Renais: A endoteliose glomerular é uma lesão comum da pré-eclâmpsia. Nesta condição, os glomérulos estão aumentados, distorcidos e preenchidos por oclusões, com hipertrofia das células intra capilares. Os exames laboratoriais mostram uma diminuição da taxa de filtração glomerular, diminuição do fluxo sanguíneo renal e proteinúria não seletiva (ou seja, todas as proteínas, incluindo a albumina);
  • Alterações fetais: A restrição do crescimento intrauterino é muito comum. O líquido amniótico torna-se essencialmente urina fetal. Com má perfusão através da placenta, o feto diminui a produção de urina. A morte intra-uterina e o descolamento prematuro da placenta não são incomuns;
  • Síndrome HELLP (hemólise, enzimas hepáticas elevadas e plaquetas baixas): Esta condição costumava ser classificada como uma síndrome separada, mas atualmente ela se classifica como uma manifestação de pré-eclâmpsia, ocorrendo em cerca de 20% dos casos graves. Está associada a morbidade materna e perinatal significativa. A diminuição da contagem de plaquetas e o aumento do nível de l-lactato desidrogenase (indicativo de hemólise e disfunção hepática) refletem a gravidade da doença.

Doença Hipertensiva da Gravidez – Diagnóstico

A pré-eclâmpsia é definida como pressão arterial elevada após 20 semanas de gestação (≥ 140 mmHg sistólica ou ≥ 90 mmHg diastólica) mais proteinuria (> 0,3 g / 24 horas). Na prática clínica, normalmente usamos os critérios de duas medidas de pressão sanguínea elevadas com 6 horas de intervalo, e uma proteinúria de 300 mg em uma amostra de urina de 24 horas.

A presença de edema generalizado (afetando a face e as mãos) pode ser impressionante, mas não é mais considerada um critério diagnóstico, visto que é muito variável.

É muito importante identificar os sintomas principais da doença. Entre eles, estão: dor de cabeça forte que não desaparece com medicação, inchaço no rosto e nas mãos e ganho de 1kg ou mais por semana.

Também podem ocorrer dificuldades para respirar, náuseas ou vômitos após os três primeiros meses da gestação, alterações na visão, dor no abdome e na região esquerda perto do estômago.

Doppler Transcraniano no Monitoramento da Doença Hipertensiva da Gravidez

A hipertensão arterial causa diversas complicações hemodinâmicas durante o período gestacional. E estas complicações afetam todos os órgãos e tecidos maternos, inclusive o sistema nervoso central.

O Doppler transcraniano é uma das técnicas não invasivas fundamentais para diagnosticar a doença hipertensiva da gravidez. Isto porque é um desafio ter acesso à circulação cerebral de uma gestante, já que o uso de recursos como contraste e radiação (utilizados em exames de imagens como a angiorressonância e angiografia) não são indicados neste período.

Com a realização do ultrassom transcraniano, é possível fazer uma estimativa do risco de pré-eclâmpsia e eclâmpsia, para estudar as possíveis alterações da hemodinâmica encefálica nesta paciente, sem prejudicar a sua saúde e a do seu bebê.

Artigo agendado em: 25/05/2017.

Artigo revisado em: 03/05/2019.

Saiba Mais Sobre a Doença Hipertensiva da Gravidez
5 (100%) 22 votos
Dr Daniel Azevedo

Dr Daniel Azevedo

Dr Daniel Azevedo em Neurologista SP
Neurologista membro titular da Academia Brasileira de Neurologia e pós-graduando do Departamento de Neurologia da Faculdade de Medicina Universidade de São Paulo, no Laboratório de Neurossonologia do Hospital das Clínicas. Possui título de especialista em neurossonologia concedido pela World Federation of Neurology e pela Academia Brasileira de Neurologia. Atua principalmente nos seguintes temas: doenças cerebrovasculares, hemodinâmica encefálica e neurointensivismo
Dr Daniel Azevedo