complicacoes-neurologicas-diabetes
Complicações Neurológicas da Diabetes
20 de julho de 2018
Check-up Neurológico – Porque é Necessário
3 de agosto de 2018

A dieta alimentar do paciente com TDAH (Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade) pode influenciar diretamente no aumento ou no alívio dos seus sintomas.

Da mesma forma que uma dieta rica em alimentos processados e aditivos químicos pode ser responsável pelo aumento dos sintomas do TDAH, uma dieta alimentar equilibrada e rica em nutrientes pode favorecer os pacientes que enfrentam a condição – sobretudo os pacientes que sofrem de sensibilidades e alergias alimentares.

Dieta para TDAH – Opção de Tratamento

Encontrar um tratamento para o TDAH é difícil, uma vez que os medicamentos prescritos não são eficazes em todos os casos. Muitas vezes, o tratamento farmacológico oferece somente um alívio parcial dos sintomas, junto aos seus efeitos colaterais desagradáveis, o que leva os pacientes à busca de tratamentos alternativos.

Existem algumas opções de tratamentos alternativos para o TDAH, incluindo dietas alimentares especiais que englobam substâncias capazes de nutrir efetivamente o cérebro.

Pode ser que você esteja ingerindo alimentos agravantes dos sintomas do TDAH, sem ao menos saber. Por isso, conheça a seguir os alimentos que uma dieta saudável para TDAH deve incluir, bem como os alimentos inimigos da condição que devem ser evitados.

Dieta para TDAH

Para funcionar adequadamente, seu cérebro necessita de alimentos reais, que contenham hidratos de carbono complexos – para gerar energia -, bem como proteínas – para originar os produtos químicos cerebrais – e gorduras saudáveis – para construir células cerebrais sadias.

Além disso, o cérebro também precisa de micronutrientes (minerais, vitaminas, antioxidantes e fitonutrientes) para gerar novas células cerebrais, oferecer proteção e reparo às já existentes.

Estes elementos estão presentes em frutas, vegetais, carnes, aves, frutos do mar, ovos, nozes, ervas, especiarias, azeite e óleo de coco.

Já os alimentos “inimigos” do TDAH são aqueles que contêm açúcar, adoçantes artificiais, corantes, glutamato de sódio e outros aditivos alimentares no geral.

Deve-se também evitar a ingestão de alimentos processados. O uso de corantes, aromatizantes artificiais e conservantes também já foi associado ao aumento da hiperatividade.

A recomendação mais importante aos pacientes que seguem a dieta para TDAH é evitar excessos em geral, sobretudo o de aditivos alimentares químicos; eles são os principais “criminosos” e têm um potencial significativo de agravar os sintomas da condição.

Dieta Restritiva para TDAH

Um estudo publicado na revista Lancet analisou os impactos de uma dieta livre de alimentos processados em 50 crianças, ao longo de cinco semanas. Os resultados do estudo indicaram que 64% das crianças com diagnóstico de TDAH tinham sintomas provenientes de sensibilidade a determinados alimentos.

Portanto, uma dieta de eliminação de determinados alimentos pode promover resultados positivos no tratamento do TDAH. A dieta restritiva consiste basicamente na ingestão de arroz, carnes, legumes e peras, durante cinco semanas.

No entanto, a restrição da dieta varia de acordo com cada pessoa. Você pode criar a sua própria dieta restritiva: identifique quais são os alimentos que lhe provocam suspeita de alergias ou sensibilidades e os elimine da sua dieta durante um mês. Note se houve alguma melhoria dos sintomas do TDAH durante este período.

Lembre-se: a dieta restritiva autoral é destinada somente a pacientes adultos com TDAH. No caso de crianças com TDAH, antes do início de qualquer dieta alimentar de eliminação, deve ocorrer uma avaliação médica.

Dieta para TDAH – Recomendações

Existe uma grande discussão acerca da relação entre hábitos alimentares e TDAH na comunidade médica. No entanto, mesmo que não traga resultados eficazes no tratamento do TDAH, você não tem nada a perder e muito a ganhar modificando sua dieta com hábitos alimentares mais saudáveis.

Excluir da sua dieta alimentos não nutritivos, como açúcar, corantes artificiais e aditivos químicos, bem como evitar alimentos processados e/ou que provoquem alergias ou sensibilidades, certamente elevará sua qualidade de vida e sua disposição para as atividades do dia a dia.

Lembre-se: o mais importante é evitar excessos. Diante de dúvidas, consulte um médico especialista em TDAH: ele poderá indicar a dieta adequada conforme suas especificidades alimentares. Caso você apresente sensibilidades ou alergias alimentares, certamente haverá indicação de uma dieta especial para você.

Dieta para TDAH
5 (100%) 1 voto
Dr Daniel Azevedo

Dr Daniel Azevedo

Neurologista membro titular da Academia Brasileira de Neurologia e pós-graduando do Departamento de Neurologia da Faculdade de Medicina Universidade de São Paulo, no Laboratório de Neurossonologia do Hospital das Clínicas. Possui título de especialista em neurossonologia concedido pela World Federation of Neurology e pela Academia Brasileira de Neurologia. Atua principalmente nos seguintes temas: doenças cerebrovasculares, hemodinâmica encefálica e neurointensivismo
Dr Daniel Azevedo