Complicações Neurológicas da Diabetes

dor-de-cabeca-frio
Dor de Cabeça no Frio
13 de julho de 2018
dieta-tdah
Dieta para TDAH
27 de julho de 2018

As complicações neurológicas do diabetes são doenças que afetam os pacientes que convivem com a doença devido, na maioria dos casos, ao mau controle da glicemia, sobretudo se as taxas de glicose (açúcar) no sangue permanecerem elevadas durante anos. A glicose em excesso no sangue pode danificar uma série de tecidos corporais.

Complicações Neurológicas da Diabetes

A Diabetes Mellitus (DM), ou apenas Diabetes, é classificada como um grupo de doenças que têm causas diversas e caracteriza-se pelo excesso de açúcar (glicose) no sangue. É considerada uma doença crônica não-transmissível, e seus subtipos podem ser divididos em tipo I e tipo II.

Tipos de Diabetes

A DM tipo I é uma doença autoimune, responsável por cerca de 10% dos casos. Este tipo de diabetes ocorre porque o sistema imunológico destrói as células β pancreáticas, responsáveis pela produção de insulina. Geralmente acomete crianças e adolescentes, e é tratada através da insulinoterapia.

A DM tipo II corresponde ao restante dos casos, e ocorre principalmente em adultos e jovens com maus hábitos alimentares ou obesidade. Nestes casos, há resistência do corpo à insulina e o tratamento é feito através de dietas, exercícios físicos, medicamentos e aplicações de insulina.

A hiperglicemia e o desequilíbrio metabólico podem ter relação com lesões em órgãos e tecidos, incluindo os olhos, rins, nervos e vasos sanguíneos, o que pode ser responsável pela origem de alguma das complicações neurológicas da diabetes.

Complicações Neurológicas da Diabetes

Conheça a seguir as principais complicações neurológicas da diabetes.

Polineuropatia Sensório-Motora Simétrica (PSS)

A polineuropatia sensório-motora simétrica (PSS) representa a repercussão neurológica mais presente em diabéticos. A condição abrange os nervos somáticos e sensório-motores distais das mãos e dos pés.

A princípio, a síndrome não demonstra sintomas, salvo pequenas alterações em exames clínicos. Conforme ela se agrava, os pacientes relatam dormências, formigamentos, aumento das dores, queimações, fraquezas, alodinia, entre outros sintomas.

A perda da sensibilidade do paciente pode dificultar a descoberta de lesões, que podem se agravar e tornar-se suscetíveis à amputação do membro. É responsável por 25% do risco de surgimento de ulcerações em algum estágio da doença.

Polineuropatia Motora Aguda/Subaguda

A polineuropatia motora aguda/subaguda pode associar-se com a PSS, gerando fraqueza muscular distal e atrofia, principalmente nos membros inferiores. Pode também ocorrer isoladamente, e pode apresentar melhora se a diabetes for tratado corretamente.

Neuropatias Diabéticas

Cerca de 15% dos pacientes com diabetes manifestam alguma neuropatia diabética (ND), dos quais aproximadamente 50% relatam a presença de dores.

As complicações neurológicas da diabetes acometem cerca de 50% das pessoas que convivem com a doença há mais de mais de 25 anos, sendo que todos revelam anormalidades eletrofisiológicas de condução.

  • Neuropatia dos Nervos Cranianos

A neuropatia dos nervos cranianos é mais presente em diabéticos idosos, onde geralmente há lesão dos nervos III e VII, ou menos frequentemente lesão da inervação pupilar, dos nervos IV e VI. A condição tem ação aguda e pode ser acompanhada por cefaleias.

  • Mononeuropatia de Tronco e Membros

A mononeuropatia de tronco e membros é motivada por lesões em nervos periféricos, isolados ou associados. Ocorre nos nervos ulnar, radial, mediano, femoral, cutâneo lateral da coxa e das pernas, ou no tronco. Também é aguda, e com a presença de dor.

  • Neuropatia Motora Proximal

A neuropatia motora proximal (também chamada de amiotrofia diabética ou Síndrome de Bruns-Garland) afeta os membros inferiores, a região lombar e períneo, motivando fraqueza muscular assimétrica e atrofia proximal dos mesmos.

Neuropatias Disautonômicas

  • No sistema cardiovascular: as neuropatias autônomas resultam em taquicardias, repousos e hipotensão ortostática. Embora não seja a maior complicação cardiovascular da diabetes, é um notável causador de morte súbita.
  • No sistema geniturinário: pode ocorrer uma lesão da inervação do sistema geniturinário, responsável por disfunções sexuais e bexiga neurogênica (que pode culminar em cistites, infecções do trato urinário e incontinência).
  • No sistema gastrointestinal: a principal complicação é a redução da motilidade gastrintestinal. Isso resulta em gastroparesia, constipação e diarreia, sendo que a própria hiperglicemia pode contribuir para a gastroparesia.

Mais Complicações Neurológicas da Diabetes

A presença da diabetes adianta e intensifica o risco de arteriosclerose, o que afeta a micro e a macrocirculação, e afeta a irrigação cerebral. Isso torna comum a incidência da esclerose de Monckeberg (principalmente em doentes renais).

Ademais, pode resultar em um AVC (acidente vascular cerebral), podendo levar o paciente à morte. As doenças cardiovasculares em geral são as maiores responsáveis por óbitos de pessoas com diabetes.

Pesquisas apontam que a diabetes pode influenciar no surgimento de déficits cognitivos e da Doença de Alzheimer (DA). Isso pode ser motivado pela formação de placas neuríticas ou senis e degeneração neurofibrilar. Outro contribuinte para o desenvolvimento de déficits cognitivos e demência nas pessoas com diabetes está no comprometimento vascular.

Há também uma incidência maior de depressão nos pacientes diabéticos neuropatas em relação à população geral. Esta condição requer um tratamento adequado, que pode ser feito com antidepressivos tricíclicos e anticonvulsivantes, dado que a depressão pode ser um agravante para co-morbidades ou redução da adesão do tratamento.

Disfunções Sexuais

As disfunções sexuais acometem a vida dos diabéticos frequentemente, e são responsáveis por problemas de disfunção erétil e ejaculação precoce nos homens, e diminuição da libido e da lubrificação nas mulheres.

O tratamento em homens é feito através de inibidores de fosfodiesterase ou ioimbina (quando há presença da libido), ou próteses penianas (caso não haja presença da libido). Nas mulheres, a lubrificação artificial é indicada, além do controle glicêmico e realização de atividades físicas com objetivo de aumentar a libido.

Complicações Neurológicas da Diabetes – Buscando Ajuda Médica

Se você é um paciente diabético e deseja prevenir-se contra as complicações neurológicas da diabetes, mantenha o acompanhamento regular com o neurologista de sua confiança e evite que a doença comprometa ainda mais sua qualidade de vida.

Complicações Neurológicas da Diabetes
5 (100%) 1 voto
Dr Daniel Azevedo

Dr Daniel Azevedo

Neurologista membro titular da Academia Brasileira de Neurologia e pós-graduando do Departamento de Neurologia da Faculdade de Medicina Universidade de São Paulo, no Laboratório de Neurossonologia do Hospital das Clínicas. Possui título de especialista em neurossonologia concedido pela World Federation of Neurology e pela Academia Brasileira de Neurologia. Atua principalmente nos seguintes temas: doenças cerebrovasculares, hemodinâmica encefálica e neurointensivismo
Dr Daniel Azevedo

Últimos posts por Dr Daniel Azevedo (exibir todos)